Caminhoneiro sofre com estereótipos, quando deveria ser o herói da história

04/07/2016 às 3:42 - Atualizado em 30/08/2016 às 3:01

Caminhoneiro sofre com estereótipos, quando deveria ser o herói da história

É preciso conscientização para que o preconceito sofrido pelo caminhoneiro profissional seja extinto  

Não é raro presenciar uma ultrapassagem na estrada seguida de uma buzinada, ou alguma ação de má conduta, situação recorrente muitas vezes entre um motorista de carro de passeio e um caminhoneiro.

Isso porque há um preconceito em relação a esse profissional, que se arrasta há tempos, de que ele atrapalha na estrada. Porém, já passou da hora de mudar essa história.

Para abordar o importante papel do caminhoneiro na sociedade, a jornalista Paula Toco levantou a questão: considerando que tudo o que consumimos depende das idas e vindas dos caminhões, como seria se os caminhoneiros não existissem?

O resultado rendeu o livro “E se eles sumirem?“, que incentiva o leitor a olhar ao redor e a perceber que praticamente tudo chegou até ali por meio de um caminhão.

A autora comenta na publicação que há um estereótipo já criado quando se pensa em caminhoneiro, de que eles vivem aventuras e não se preocupam com o chefe, quando na verdade passam por situações de insegurança, possuem baixa remuneração e se envolvem em acidentes. A jornalista ainda faz um alerta:

“As instituições ligadas ao setor falam em uma falta de 120 mil motoristas.”

Esse dado é preocupante e revela uma falta de interesse profissional na área. Por esse motivo, vamos lançar uma ótica mais realista sob esses trabalhadores.

Caminhoneiro, o herói do asfalto

Ficar a quilômetros de distância da família por vários dias, arriscar-se em estradas esburacadas, enfrentar longas jornadas de trabalho, não encontrar bases de descanso seguras – o cansaço é causador de 20% dos acidentes -, dormir e se alimentar mal.

Esse é um breve relato de situações que o caminhoneiro passa nas rodovias atualmente. Mesmo diante desse cenário, a paixão pela estrada e o compromisso assumido com o trabalho faz com que esse profissional abasteça as famílias brasileiras e colabore para o crescimento das empresas.

Enfrentar desafios, abrir mão de estar perto de quem se ama e correr riscos, sem desistir de atuar por um bem maior, são etapas de uma jornada heroica.

Aos poucos, surgem algumas iniciativas que visam melhorar esse cenário. A tecnologia, por exemplo, entra aos poucos em campo com ferramentas como o aplicativo TruckPad, que encontra cargas para facilitar a rotina do caminhoneiro autônomo. Há também o projeto que prevê um ponto de parada e descanso dos caminhoneiros na BR-116/PR/SC, anunciado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), em 2015.

Mesmo assim, ainda há muito o que rever e fazer para motivar o caminhoneiro profissional e atrair novos trabalhadores para o setor.

Mas a conscientização da sociedade é um dos pontos principais a ser mudado, para que o preconceito seja extinto e novas oportunidades apareçam.

Quer dividir conosco sua experiência como caminhoneiro? Deixei um comentário logo abaixo.

Baixe grátis nosso ebook com 52 dicas para evitar quaisquer problemas na estrada!


Call-to-Action


Referências Bibliográficas

BR-116/PR/SC vai contar com primeiro ponto de parada e descanso para caminhoneiro. Site da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, 2015

Paradas Aprovadas. Site Estradas.com.br

TOCO, Paula. E se eles Sumirem.Editora Canal 6. Bauru, 2014

‘Uber dos caminhoneiros’: conheça o app que encontra cargas. Site da Associação Brasileira dos Caminhoneiros, 2015