Gincana do Caminhoneiro – 2ª etapa

28/09/2017 às 9:38 - Atualizado em 21/11/2017 às 3:21

Paranaenses vão em peso, mas a festa é de maranhenses

Por conta da proximidade de Jacupiranga/SP, onde foi realizada a 2ª etapa da Gincana do Caminhoneiro, do Estado do Paraná, estradeiros de Curitiba, Arapongas e Colombo marcaram presença maciça. Mas os irmãos Veríssimo – Joaquim e Manoel – fizeram a festa pelo 3º e 4º lugares, já classificados para a grande final em Itajaí, no dia 26 de novembro.

 

O caminhoneiro Alessandro Mileski, de Reserva/PR, com tempo de 23s579, foi o vencedor da 2ª etapa da Gincana do Caminhoneiro, que terminou ontem, no Posto 4 Irmãos (BR-116, KM 467), em Jacupiranga, a 232 km de São Paulo, SP, onde cerca de 400 estradeiros participaram das provas de estacionamento e de slalom, nos três dias do evento. Em 2º lugar ficou Marcelo Vilanez Sant´Ana (Galia/SP – 23s773); Joaquim Veríssimo (São Luís/MA – 23s817) em 3º e Manoel Veríssimo (Paço do Lumiar/MA – 23s897) em 4º lugar.

Os quatro classificados da 2ª etapa juntam-se a Lucio Marcio Goldin (Arapongas/PR), Dionísio Locks (Lucas do Rio Verde/MT), Leonel Aguillar Faria (Alvares Machado/SP) e Airton Borges de Andrade Junior (Arapongas/PR), que venceram na etapa de Cuiabá no último final de semana de agosto. Os oito caminhoneiros, de um total de 20, estão garantidos na grande final no dia 26 de novembro, em Itajaí/SC.

Nas próximas quatro etapas em Ponta Grossa/PR (Posto Torre Alta Locatelli – 6 a 8 de outubro), Linhares/ES ( Posto Dadinho/27 a 29 de outubro), Betim/MG (Posto PTB – 10 a 12 de novembro) e Itajaí/SC (Posto SIM Santa Rosa – 23 a 25 de novembro), a Gincana do Caminhoneiro vai classificar três estradeiros, de modo que a final receba 20 habilitados a concorrer a um Iveco Tector no dia 26 de novembro. “Excepcionalmente nesta edição, teremos 20 finalistas (na primeira e segunda etapas foram quatro classificados cada, e nas outras serão três). O número icônico de 20 é para comemorarmos os 20 anos de Iveco no Brasil, empresa patrocinadora do evento”, argumenta Saulo Furtado, diretor da empresa organizadora da gincana.

Além da realização das provas, a iniciativa proporciona a chance do visitante testar o novo Tector Auto-Shift, modelo com transmissão automatizada. “O Tector Auto-Shift é a melhor solução de veículo automatizado do mercado de semipesados”, afirma Ricardo Barion, diretor de Marketing da IVECO para a América Latina. Os clientes que optarem pelo modelo recém-lançado da IVECO irão ter à disposição um plano de manutenção competitivo. Na principal fatia do mercado deste produto (6×2 rodoviário), por exemplo, ele é 18% mais barato do que a concorrência. A IVECO oferece ainda a revisão com preço fixo para os dois primeiros anos do veiculo, com valores em media 11% abaixo de concorrentes do segmento. O Hi-Way, extrapesado top de linha da montadora, também esteve disponível para test-drive.

A etapa – Por estar em sua 27ª edição, a Gincana do Caminhoneiro já formou uma legião de fãs e “gincaneiros”. Há inclusive grupos formados nas redes sociais. Os organizadores do evento, por sua vez, querem receber novos competidores e ampliar a possibilidade de jovens estradeiros também de participar e disputar ao Iveco Tector.

Foi o que aconteceu na sexta-feira, dia 22 de setembro, em Jacupiranga. Jovens caminhoneiros como Walmir Vidolin, de Campina Grande do Sul, 30 anos, 12 como profissional do volante, que conseguiu obter tempo de 24s061 e fechou o primeiro dia como classificado à final. Dezenas de caminhoneiros iniciantes na gincana também tentaram a classificação, mas não conseguiram a marca de Vidolin.

No sábado e no domingo, porém, a história foi outra. Começaram a chegar os “gincaneiros” do Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Maranhão, que foram exclusivamente para a competição. Capítulo à parte aos caminhoneiros brasileiros que fazem rotas internacionais no Cone Sul.

A primeira fera a aparecer, entre os mais experientes, foi Alberto Sakai, 59 anos, de Bauru/SP, que já caminhou um caminhão e um automóvel, em 1994 e 2003. Seu irmão Fernando, 57 anos, também ganhou outro caminhão em 1999, mas não pôde comparecer. Sakai trouxe, desta vez, o filho Alexandre, 37 anos. Pai e filho conseguiram cravar 24s515 e 25s660, respectivamente. Alberto Sakai chegou a pontuar na 4ª colocação. “Queria ter vindo no domingo, para acompanhar os paranaenses. Mas não foi possível. Com esse tempo, não vou conseguir a classificação”, antecipava Sakai no final da tarde de sábado.

Dito e feito. Com exceção do resultado de Alessandro Mileski, que já havia anotado 23s579, os demais tempos seriam superados ao longo do dia de domingo.

No último dia da etapa de Jacupiranga, aliás, por volta das 17h00 começou a chover e a prova foi interrompida às 17h06. Onze concorrentes ainda estavam na fila de espera. Logo a chuva cessou. Às 17h34, a direção da gincana decidiu retomar. Mas, naquele momento, apenas quatro caminhoneiros estavam presentes e fizeram a prova, mas ninguém foi capaz de tirar o 3º e o 4º lugares dos irmãos Veríssimo, do Maranhão. Ambos comemoraram!

 

Saúde e conhecimento – Os visitantes puderam realizar uma verificação da pressão arterial e um teste de glicemia. Palestras e treinamentos técnicos oferecidos pelos apoiadores foram realizados durante a etapa.

Também a participação da PRF – Polícia Rodoviária Federal mostrou o Cinema Rodoviário, curtas palestras ministradas pelos policiais Pourchet e Chiuso que visam mudar o comportamento, por meio da apresentação dos riscos inerentes ao trânsito (vídeos que ilustram situações reais ou simuladas) e o estímulo à adoção de pequenas mudanças que podem resguardar a vida ou diminuir as possíveis lesões causadas por acidentes de trânsito.