NOVEMBRO AZUL

25/10/2016 às 2:21 - Atualizado em 09/11/2016 às 7:34

Depois de o mês de outubro ser marcado pela campanha de mobilização para prevenção do câncer de mama, conhecida como Outubro Rosa, em novembro é a vez dos homens. O mês de novembro é internacionalmente dedicado às ações relacionadas ao câncer de próstata e à saúde do homem, e conhecido como Novembro Azul. O câncer de próstata é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e o de maior incidência nos homens. As taxas da manifestação da doença são cerca de seis vezes maiores nos países desenvolvidos. Cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem em homens com mais de 65 anos. Quando diagnosticado e tratado no início, tem os riscos de mortalidade reduzidos. No Brasil, é a quarta causa de morte por câncer e corresponde a 6% do total de óbitos por este grupo.

Sete novos casos da doença surgem a cada hora. O diagnóstico precoce é essencial para a cura.

Estudo realizado este ano pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) aponta que 51% dos homens nunca consultaram um urologista.

O câncer de próstata é um dos tumores mais prevalentes nos homens, estimativas apontam para 69 mil novos casos ao ano, ou seja, 7,8 novos casos a cada hora.

A doença não tem prevenção, no entanto, seu diagnóstico precoce é essencial para o tratamento curativo. Hoje, é possível até mesmo não retirar a próstata com o tumor, quando ele é classificado de baixo risco para progredir, um acompanhamento vigiado pode ser feito para estes casos postergando o tratamento definitivo por alguns anos, quem deve determinar o melhor tipo de tratamento é o médico urologista.

Para conscientizar a população da importância dos exames anuais a partir dos 45 anos (quem tem histórico na família) e 50 anos (sem histórico na família), a Sociedade Brasileira de Urologia e o Instituto Lado a Lado pela Vida, realizam o Novembro Azul. A campanha, idealizada pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida, tem foco na conscientização para o câncer de próstata no Brasil.

O Dr. Roni Carvalho Fernandes, presidente da Sociedade Brasileira de Urologia de São Paulo (SBU-SP), explica que a próstata é uma glândula que está situada logo abaixo da bexiga envolvendo o canal uretral. Devido a esta relação, patologias que acometem a próstata podem levar a manifestações urinárias e problemas de micção. A próstata tem uma importante função na fase reprodutiva. Nesse período, ela produz parte do líquido seminal que serve para nutrir e transportar os espermatozóides provenientes dos testículos.

“Pessoas da raça negra e quem têm familiares de primeiro grau que tiveram a doença, devem procurar um urologista para avaliar a necessidade de iniciar seus exames a partir dos 45 anos”, reforça o presidente da SBU-SP.

O câncer de próstata é um tumor maligno que se manifesta depois de uma determinada idade entre os 45 e 50 anos. É uma doença transmitida geneticamente e não hereditariamente.

Então, fique atento e se previna. Existem dois tipos de prevenção: a primária, que evita que a doença ocorra, se prevenindo da exposição a agentes causais, como, por exemplo, fumar e beber álcool, e a secundária também conhecida como diagnóstico precoce, onde se fazem os exames para verificar as chances de a pessoa ter a doença e, se tiver, tratá-la a tempo, visando à cura.

O médico urologista irá fazer os exames da próstata que consistem no toque retal (é simples de ser feito, rápido e indolor) e solicitar a dosagem sérica do PSA (Antígeno Prostático Específico) no sangue. “Esses dois exames são importantes e um complementa o outro”, explica o Dr. Fernandes.

“Na maioria dos casos iniciais, o paciente não tem sintomas e só a avaliação rotineira com o exame de PSA e o toque retal permite estabelecer a suspeita e prosseguir na investigação”, explica o médico.

Portanto, o diagnóstico precoce é essencial, já que a doença ainda está localizada e com o tratamento pode chegar a 90% a 95% de cura. Em um estágio avançado têm vários tipos de medicamento retardando a progressão do tumor, proporcionando sobrevida e uma melhor qualidade de vida ao paciente. “Mas tem que ficar claro: o câncer de próstata mata, igual ao câncer de mama avançado para as mulheres”, faz uma comparação.

Por isso, o Dr. Roni Fernandes faz um alerta: “homens, vençam o preconceito, diminuindo a chance de ter uma doença grave. Procure o urologista para fazer a prevenção, ou então, tratar a doença a tempo de curá-la”.

Atualmente, ao descobrir-se o câncer de próstata, é possível avaliar sua agressividade. Nos últimos anos, estudos de imagem realizados em biópsias dos tumores possibilitam individualizar a doença e determinar o melhor tratamento para aquele caso. Ao ser classificado como de baixo risco, pode ser indicado o tratamento de vigilância ativa, metodologia baseada na observação da evolução do quadro sem intervenções terapêuticas quando o câncer é classificado como indolente e o paciente se enquadra em uma série de requisitos.

Até 2010, ao descobrir-se um câncer de próstata em estágio avançado, o tratamento era paliativo. A partir de então, começaram a surgir diversos medicamentos que proporcionam sobrevida e uma melhor qualidade de vida ao paciente. O objetivo do Novembro Azul, no entanto, é diagnosticar casos no início, quando as chances de cura beiram a 90%.

Bem informados

Pedro Henrique Aparecido Osco, 31 anos de idade e12 anos na estrada, transporta malhas pelo Brasil afora. Acho muito importante o homem fazer os exames para verificar como está a sua próstata. Sei que o ideal é começar entre 45 e 50 anos.  Tenho plena consciência da sua importância, pois já trabalhei na área da saúde. Sempre falo para os meus amigos caminhoneiros sobre a importância de se prevenirem.

Outro motorista consciente é Ricardo Nazon Warneling, 31 anos de idade, e sete na estrada. “Tenho plena noção que só existe um modo seguro de prevenir o câncer da próstata, fazendo o exame de sangue (PSA) e toque retal. Ainda não estou com a idade para fazer, mas quando chegar a hora certamente irei fazê-los. Não podemos dar mole para essa doença que diagnosticada no início tem cura. Infelizmente, já tive na familiar ente querido com câncer de mama e sei o quanto essa doença é difícil. Por isso, a mulher também deve ficar esperta com essa parte do corpo, como o homem deve ficar atento com a próstata.

Quem já se previne e é apaixonado por caminhões é Luiz Antonio Ângulo, que tem 62 anos de idade. “Eu já faço todos os exames, inclusive, de próstata e ainda dou conselho para os meus colegas deixarem o preconceito de lado e tratarem da sua saúde. “Meu pai faleceu vítima dessa doença, porque tinha vergonha de procurar médico urologista. A nossa vida é o bem maior e temos que achar tempo para cuidar dela”, finaliza.

Fatores de risco:

  • Idade (cerca de 62% dos casos são de homens a partir dos 65 anos).
  • Histórico familiar.
  • Raça (maior incidência entre os negros).
  • Alimentação inadequada, à base de gordura animal e deficiente em frutas, verduras, legumes e grãos.
  • Sedentarismo.
  • Obesidade.

Sintomas (só aparecem nos casos avançados):

  • Vontade de urinar com urgência.
  • Dificuldade para urinar.
  • Levantar-se várias vezes à noite para ir ao banheiro.
  • Dor óssea.
  • Queda do estado geral.
  • Insuficiência renal.
  • Dores fortes no corpo.

Sintomas devido às metástases:

  • Dor na área lombossacra, se irradiando para a pelve e para as pernas (metástase óssea). As dores ósseas são de forte intensidade e de difícil controle com analgésicos comuns.
  • Fraturas patológicas:  fraturas ósseas desencadeadas por traumas pouco intensos em virtude da fragilidade e desmineralização provocada pelas metástases ósseas.
  • Desconforto perineal e retal: decorrente do tamanho do tumor e da invasão  da parede pélvica.
  • Anemia: decorrente  da invasão da medula óssea, pelas células cancerosas.
  • Perda de peso acentuada.
  • Perda de força muscular e paraplegia: em fase muito avançada da doença as metástases ósseas da coluna, podem causar compressão da medula espinal e culminar com a perda de força muscular e finalmente paraplegia.
  • Astenia (perda da força física).
  • Náuseas.
  • Oligúria: causada pela uremia.
  • Sangramento urinário.
  • Insuficiência renal obstrutiva: obstrução progressiva da drenagem da urina dos ureteres para a bexiga, causando acúmulos de substância tóxicas ao organismo não eliminadas.
  • Queda progressiva do estado geral.