A Presidente Angelina Basílio da Escola Rosas de Ouro e André Machado falam sobre os caminhoneiros

03/10/2017 às 3:46 - Atualizado em 24/10/2017 às 3:53

Revista Caminhoneiro – Fale-me um pouco da Sociedade Rosas de Ouro e da presidente?
Angelina Basílio – A Rosas de Ouro é uma escola paulistana e completará 46 anos no dia 18 de outubro. Ela está no Grupo Especial, na Liga Independente das Escolas de Samba. Tenho 15 anos como presidente, mas já tive a oportunidade de estar presente desde a fundação da Rosas de Ouro, inclusive, meu pai foi um dos fundadores, Eduardo Basílio. Já fui porta-bandeira, diretora de alas, destaque de carro alegórico, coordenadora de comissão de frente, diretora de carnaval e vice-presidente. A minha filha Camila Basílio Okamato está seguindo também os passos da família.

Caminhoneiro – André, fale-me um pouco de sua experiência profissional?
André Machado – Sou carioca e atualmente carnavalesco da Escola Rosas de Ouro e seu diretor de criação. Tenho 43 anos de idade e o Carnaval faz parte da minha vida desde os 13 anos de idade. No Carnaval de 2017 completei 20 anos que entrei no Anhembi, (SP), com muita honra e dedicação.

Caminhoneiro – É verdade que a Rosas de Ouro levará para o Sambódromo do Anhembi, em 2018, a vida dos caminhoneiros?
Machado – É verdade, Grazi. Estou muito contente em poder homenagear os caminhoneiros. Temos um enredo que mostra bastante o cotidiano desse importante profissional. Eles parecem com a gente. Nós deixamos a nossa família em casa e se dedicamos 24 horas ao Carnaval. Procuramos mostrar de uma forma bem emocional e simplificada para que os caminhoneiros se identifiquem com essas histórias tão ricas. Simples mais repletas de emoção.

Caminhoneiro – Como surgiu a ideia?
Machado – Eu sempre tive vontade de homenageá-los. Para se ter uma noção, em 1991, eu assisti o desfile da escola de samba carioca Império Serrano que retratou muito bem a história do caminhoneiro. No próximo ano irei colocar em pratica esse meu desejo que é falar do dia a dia do caminhoneiro. Eu acredito muito nesse enredo. Ele permitiu que eu conhecesse um pouco desse universo e meu enriquecimento como artista.

Caminhoneiro – Como é um trecho?
Machado – Nós dividimos em cinco setores. O que mais achei bacana nesse enredo é mostrar como o caminhoneiro deixa a sua querida família, entra em uma boleia, se agarra na religião, para poder dar o melhor a ela. Vamos abrir o desfile fazendo uma procissão a São Cristóvão e a comissão de frente vai fazer uma encenação dessa questão de ter que deixar a família que ama e ter que buscar um futuro melhor a todos.
Vamos também falar da importância do caminhoneiro no agronegócio e à economia brasileira, sobretudo, em anos difíceis. Já ouvi falar que se o caminhoneiro para o Brasil também para. Os caminhoneiros também passam por perigos constantes nas estradas, enfrentam rodovias de terra, roubos de cargas, pressão para entregar a mercadoria rapidamente, muitos acabam indo para o caminho das drogas, entre outros. Vamos também falar da questão da prostituição. Será um alerta e, ao mesmo tempo, um estimulo visando que eles denunciem essa ação. Esse profissional conhece todas as riquezas do Brasil, afinal percorre o País de Norte a Sul. É a Faculdade da vida. Sei ainda que ele gosta de música sertaneja, tem canção do cantor Roberto Carlos que homenageia essa categoria. Enfim, será uma bonita homenagem para o nosso herói de estrada e reconhecer como é importante para a Brasil.

Caminhoneiro – Para desenvolver esse bonito trabalho, quais são as parcerias?
Angelina – As parcerias são importantíssimas para nós. Já temos com a revista Caminhoneiro há sete anos. Também temos com a Mercedes-Benz e estamos consolidando essa união. Já conhecemos a atuação dessas empresas no mundo desses profissionais que merecem o nosso respeito e admiração. Sou fã deles, da sua rotina, como valorizam as suas famílias, enfim de tudo que envolve o caminhoneiro. Em relação às parcerias, estamos renovando os votos de casamento.

Muitas escolas irão fazer homenagens a famosos e nós optamos por fazer a uma categoria. A Comunidade adorou o enredo e já estamos recebendo mensagens de algumas famílias de caminhoneiros.

Caminhoneiro – Como está a expectativa para 2018 ?
Angelina – Vamos tentar o título. Muitas escolas irão fazer homenagens a famosos e nós optamos por fazer a uma categoria. A Comunidade adorou o enredo e já estamos recebendo mensagens de algumas famílias de caminhoneiros que querem homenagear seus entes queridos e até em memória. Vamos fazer um bonito desfile começando pelo nosso enredo: “Pelas estradas da vida, sonhos e aventuras de um herói brasileiro”.
Machado – A Rosas sairá na sexta-feira, dia 9 de fevereiro, desfilará às 4h da manhã, preferencialmente com o céu azul e refletindo a cor rosa da escola de samba em seus cerca de 2.800 componentes, 23 alas, 260 ritmistas, 70 baianas, mais de 40 crianças e a ala social demonstrando projetos sociais, entre outros componentes.

Caminhoneiro – Envie uma mensagem aos nossos leitores.
Machado – Com esse enredo estamos conhecendo pessoas que nunca tivemos a oportunidade de ver. Olha leitor, saiba um pouco da história do Carnaval através da Rosas de Ouro.
Angelina – Depois de 46 anos que estou no mundo do samba sei que existem enredos que não interagem tanto com a Comunidade, mas esse foi muito bem aceito e já está todo mundo cantando. Feito coração de mãe, a Sociedade Rosas de Ouro está sempre aberta para receber mais um e, em especial, os caminhoneiros.
Nossa escola é muito familiar e acolhedora. Iremos ficar muito contentes em recebê-los.