Reconhecer o profissional

05/06/2017 às 12:06 - Atualizado em 14/06/2017 às 4:33

Roberto Leoncini, Vice-presidente de Marketing & Vendas Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil, fala da importância do caminhoneiro dentro do contexto transporte.

Revista Caminhoneiro – Quais são as ações adotadas pela Mercedes-Benz visando mais conforto para o caminhoneiro?

Roberto Leoncini – Essa é a nova postura da Mercedes-Benz. Mostrar que o grande protagonista de toda história do transporte é o motorista. Afinal, ele está diretamente na labuta, no dia a dia. Quem carrega, com o seu caminhão, a carga do ponto “A” para o ponto “B” é o caminhoneiro. Faz parte da filosofia da Mercedes-Benz se preocupar com esse importante profissional. Não é à toa que adotamos a frase: “As estradas falam. A MercedesBenz ouve”. A gente vem, cada vez mais, explorando todos os canais possíveis de comunicação com os motoristas. Temos, hoje, mais de 15 canais para falar com ele, como Facebook, twitter, blogs, Clube dos Gigantes, entre outros.

 Caminhoneiro – Vocês perceberam que era possível melhorar ainda mais os caminhões Mercedes-Benz?
Leoncini – Sim. Em março anunciamos o novo cockpit da linha de caminhões, a nova geração de bancos que foram projetados de acordo com o biótipo do motorista brasileiro, priorizando o bem-estar e a satisfação de quem passa horas ao volante. Essas mudanças foram baseadas no retorno que recebemos deles. Os motoristas argumentaram que tínhamos um potencial de melhorias e a gente foi buscar esse potencial. Esse é o jeito novo da Mercedes-Benz: escutamos, transformamos, levamos para dentro da nossa “casa”, estudamos, apresentamos e aplicamos as soluções.

Caminhoneiro – O caminhão Axor recebeu alterações. O mercado já sentiu essas mudanças?

Leoncini – Seu emplacamento vem crescendo. O Axor 3344 foi o caminhão mais vendido em março, com 311 unidades emplacadas. É bom lembrar, também, que no final do ano passado, o Axor off road ganhou novos bancos. O operador desse tipo de aplicação precisa dirigir um caminhão confortável, afinal é uma operação muito mais severa em relação à rodoviária. O Axor vem numa sequência de melhorias, está mais confortável e com excelente desempenho. O seu consumo de combustível melhorou demais. É um novo caminhão. Agora, o grande desafio da Mercedes-Benz é de mostrar aos clientes que o Axor mudou. Todos que estão experimentando aprovaram, inclusive, vamos participar da 28ª Feira do Caminhoneiro levando a nossa linha de caminhões, entre os quais o Axor.

Caminhoneiro – As opiniões dos motoristas são fundamentais?

Leoncini – Sem dúvida. A gente consegue saber informações importantes quando o motorista entra no caminhão. Não adianta só falar. Ele tem que sentir. O motorista, com toda razão, é desconfiado, sofre na estrada e nem sempre é bem tratado. Nós valorizamos esse profissional.

Caminhoneiro – Quanto ao Actros?

Leoncini – Para se ter uma ideia ocorreu aumento de 35% nas vendas de caminhões Actros no primeiro quadrimestre deste ano, em relação ao mesmo período do ano passado. Ele vem sendo utilizado no agronegócio, em frigorificado. Acabamos de fazer uma venda de 30 unidades para a empresa IC, localizada em Sumaré. Os caminhões serão aplicados no transporte de gás e de combustíveis. Isto prova que o Actros tem muita flexibilidade e pode atuar em várias situações. O cliente constatou que ele está mais econômico. O Actros é uma opção para qualquer transportador e em qualquer segmento de extrapesado onroad. É isso que a Mercedes-Benz vai atrás agora. Ela busca ganhar mercado no segmento de extrapesado onroad. Quanto ao off Road, a Mercedes-Benz está muito bem. No rodoviário on road temos uma jornada à frente. Começamos caminhando e vamos partir para maratona. Nós pretendemos ganhar espaço nesse segmento.

Revista Caminhoneiro – Em sua opinião, como o motorista está reagindo à transição do Atron para o Atego, afinal, a linha Atron é sinônimo de robustez e durabilidade há anos no mercado?

Leoncini – Muito pertinente a sua pergunta, afinal, a linha Atron conquistou o motorista ao longo de sua história de vendas no mercado brasileiro. Esse produto tem uma excelente imagem de caminhão parrudo entre os profissionais da estrada. Não tenho dúvidas de que a linha Atego, além de manter todas as qualidades de robustez e durabilidade do Atron, consolidadas no segmento de médios e semipesados, estarão trazendo adicionalmente mais conforto aos motoristas. Você sabe que a partir de 2015, passamos a vender a linha Atego com o mesmo quadro de chassi do Atron. Com a linha Atego, estamos concluindo um ciclo de sucesso e trazendo para os motoristas modelos muito mais confortáveis e que atendam as mesmas aplicações de transporte do Atron. O Atego tem a cabina mais espaçosa do segmento, proporcionando muito mais praticidade, espaço e conforto ao motorista, principalmente com os novos bancos. Para o frotista, o Atego também traz benefícios importantes, como o quadro de chassi mais robusto e ágil para implementação e maior produtividade, pois permite que o cliente carregue 1 tonelada a mais de que os modelos da linha Atron. Todas essas características já estão sendo reconhecidas pelos nossos clientes. No primeiro quadrimestre desse ano, as vendas da linha Atego cresceram cerca de 22% comparada ao mesmo período do ano passado. Grazi, gostaria de ressaltar também que continuamos oferecendo o extrapesado Atron 1635.

Caminhoneiro – A empresa continuará apostando alto na área de serviços?

LeonciniCom certeza. É muito importante ter o produto e atendimento perfeitos. Mas, sabemos que é preciso profissionais qualificados e bem treinados, pontos de atendimento, uma rede de concessionários eficiente. A rede vem crescendo. Foram inaugurados quatro novos pontos e teremos mais durante o ano. Temos mais 17 concessionários que foram remodelados dentro do novo padrão com nova identidade visual. Até os mecânicos estão com novo visual, buscando mais conforto. Silvio Renan, diretor de Pós-vendas, é uma máquina de criar boas alternativas. Nós relançamos os contratados e o FleetBoard é um sucesso. Temos mais de cinco mil caminhões conectados, estamos fazendo várias operações dentro dos clientes (oficina dedicada) e disponibilizamos várias opções de peças. Somos a única montadora que oferecemos três linhas de peças: genuínas, remanufaturadas Renov e Alliance Truck Parts. O portfólio de peças Alliance aumentou: de 3.529 peças vendidas, em 2014, para 55.853, em 2016. Ela atende bem os frotistas e os motoristas autônomos já que disponibiliza acessórios como TV digital, geladeira, defletores aerodinâmicos, rodas de alumínio, tampas de estribos, entre outros. Quero destacar, também, o Banco Mercedes-Benz que conquistou, em 2016, o primeiro lugar no ranking de liberação de repasses do Finame entre as instituições financeiras. Para consolidar os resultados, a instituição conta com um portfólio que inclui modalidades de crédito destinadas ao consumidor final, como CDC (Crédito Direto ao Consumidor), Finame e Leasing Operacional. Quanto ao Consórcio Mercedes-Benz desde 2016, 9 grupos lançados, 2 mil cotas comercializadas e mais de 500 veículos foram contemplados.

Caminhoneiro – A empresa irá inaugurar mais lojas Select Truck?

Leoncini – A Mercedes-Benz lançou a Select Truck, em 2013, em Mauá, sendo a matriz. Mas agora já crescemos: temos em Betim, duas lojas satélite em Campinas e em Limeira e vamos para a terceira loja física em Curitiba, perto do concessionário Savana. Estamos também de olho nas regiões do nordeste e centro-oeste.

Caminhoneiro – Qual é a sua mensagem para os nossos leitores?

Leoncini – Continuem contando com a Mercedes-Benz no que for preciso. Entrem em contato conosco e se manifestem. Queremos a sua opinião. A Mercedes-Benz estará sempre ao seu lado. A empresa procura várias iniciativas na estrada, como apoia o programa Estrada na Saúde da CCR NovaDutra. Visamos o seu bem-estar. Essa é a nova Mercedes-Benz. É importante que continuem acreditando no negócio apesar das dificuldades. A gente continua otimista. Já podemos identificar reações positivas e pouco a pouco essa recuperação acontecerá