Remanufaturados – Opções inteligentes

28/06/2016 às 8:37 - Atualizado em 28/06/2016 às 8:38

Knorr-Bremse Processo Remanufatura Lavagem

Além da economia, quem faz uso de produtos remanufaturados colabora com a preservação do meio ambiente e tem no seu veículo uma manutenção segura e confiável.

“Na hora de cuidar da parte mecânica do seu caminhão, pense em peças remanufaturadas. Elas são excelentes escolhas para economizar dinheiro e ainda contribuem com o meio ambiente”, diz Jefferson Germano, presidente da Associação Nacional dos Remanufaturadores de Autopeças (Anrap) e gerente de Aftermarket da Knorr-Bremse para o Brasil e América Latina.

A Anrap foi fundada há mais de 20 anos a partir da associação da Cummins, Bosch, Sachs Automotive e TRW Automotive. Juntas, identificaram que as peças colocadas no mercado sofriam desgastes naturais e necessitavam de reposição. Muitas vezes, essas peças chegavam a passar por quatro, até cinco reparações antes de serem inutilizadas. “Os reparos eram feitos de qualquer maneira, sem procedimentos ou padrões tecnológicos”, diz Germano.

O fato fez com que os fabricantes de autopeças passassem a remanufaturar os produtos dentro de suas instalações, com o objetivo de estender a vida útil das peças usadas e retorná-las ao mercado como produtos novos, ou seja, com atualizações tecnológicas de fábrica, além da garantia de originalidade e procedência.

O processo

Ele é realizado 100% dentro das instalações do fabricante original. Quando o cliente entrega uma peça usada, que não está mais em condições de uso, ela é desmontada, limpa e inspecionada. Com base no modelo original, o fabricante verifica o que deve ser feito para que a peça volte a ter as mesmas características de um produto novo. Durante o processo, pode haver a adição de itens novos e originais. Após a montagem do produto, o fabricante realiza uma série de testes para assegurar que a peça retorne ao mercado em conformidade com todas as suas especificações de qualidade de produção.

Atualmente, os principais fabricantes de autopeças do País estão associados à Anrap como, BorgWarner e sua divisão BorgWarner PowerDrive Systems, Cummins, Eaton, Garrett, Knorr-Bremse, Schaeffler Brasil (Divisão LuK), TRW Automotive, Wabco e ZF (com a linha de embreagem Sachs).

Mercado

Devido à forte retração econômica, o reaproveitamento, a reciclagem e o reuso de recursos são uma forte tendência, abrindo chances de redução de custos. Na reparação automotiva, por exemplo, uma boa opção é o uso de produtos remanufaturados por serem mais baratos do que um item novo. Além da economia, quem faz uso do remanufaturado colabora para a preservação do meio ambiente. Sua aplicação também ajuda a estender a vida útil do veículo.

Jefferson Germano explica que 2016 vai ser um ano de mais trabalho: temos que avançar nas questões tributárias e tecnológicas, melhorar os programas de logística reversa. Mas, vamos colher ainda mais resultados positivos. Prevemos a expansão acima da média do setor industrial, impulsionada pela evolução dos processos industriais com mais investimentos em tecnologia. Para 2016 também apostamos na maior diversificação do número de ofertas de produtos remanufaturados, cerca de 20%”, diz.

Juntos, os fabricantes de autopeças associados à Anrap têm aumentado a conscientização e o conhecimento dos clientes em relação ao setor e, com isso, têm obtido uma taxa média de crescimento anual de 10%. A participação atual no mercado brasileiro é de 6%.

Potencial

Hoje, o processo de remanufatura já é uma tendência de mercado. Aproximadamente 70% da receita do setor de peças de reposição da América do Sul são provenientes do Brasil e da Argentina, sendo que mais de 50% dessas peças podem ser remanufaturadas.

No entanto, apenas 6% dos produtos que são inseridos no mercado brasileiro, atualmente, passam pelo processo de remanufatura. Dentre os grandes desafios para aumentar esse percentual está a falta de incentivos fiscais para práticas de logística reversa, que visa a devolução aos fabricantes das peças usadas (carcaças), consideradas matérias-primas e vitais à remanufatura.

No mundo, os produtos remanufaturados correspondem a 16% do mercado Pós-venda e a taxa média de crescimento anual é de 10%, segundo dados divulgados pela International Remanufacturing Summit.

Na América do Norte, região com perfil de consumo parecido com o do Brasil, essa participação chega a 20%. A Anrap projeta uma participação de mercado semelhante para os produtos remanufaturados até 2020 no Brasil. A Anrap ganhou visibilidade global ao ser convidada por uma entidade semelhante internacional para expor suas experiências em responsabilidade ambiental. “Hoje, outras associações globais também tratam com seriedade a recuperação de peças usadas (casco), reinserindo-as no processo produtivo (remanufatura) e destinando corretamente no meio ambiente eventuais resíduos não mais utilizáveis”.

Vantagens

Maurício Gayubas, da BorgWarner PowerDrive Systems, explica que as pessoas não devem confundir produto remanufaturado com recondicionado. A remanufatura de produtos é um processo realizado 100% dentro das instalações do fabricante original. Só ele detém o conhecimento para reconstituir a peça dentro dos padrões tecnológicos de produção e deixá-la “nova de novo”. As peças usadas são devolvidas à fábrica e passam por um criterioso processo de reconstituição.

Um processo que inclui a desmontagem de todos os itens do componente, inspeção e lavagem das partes; substituição dos itens não mais utilizáveis por outros novos, considerando todas as atualizações tecnológicas; montagem da peça e testes finais de qualidade. O produto sai da fábrica certificado com procedência, originalidade e garantia. “A peça remanufaturada é sempre mais econômica quando comparada ao mesmo produto novo”, comenta Gayubas.

No processo de recondicionamento, a peça defeituosa não passa por uma avaliação criteriosa para identificar quais itens necessitam ser reparados. Com isso, apenas os componentes defeituosos são substituídos por outros de procedência duvidosa e, caso o defeito da peça ainda persista, não há um suporte técnico devido e confiável. O produto é consertado sem seguir quaisquer normas tecnológicas ou processos seguros de produção. Esta origem duvidosa expõe o usuário a riscos de acidentes e reduz, consideravelmente, o tempo de uso do veículo.

A BorgWarner PowerDrive Systems disponibiliza na área de remanufaturados para o segmento de caminhões, alternadores e motores de partida Delco Remy.

Os alternadores e motores de partida remanufaturados possuem várias vantagens entre as quais agilidade na troca durante a reparação na oficina e são mais baratos que o produto original novo. Há menor administração de componentes no estoque do distribuidor ou por parte da oficina ou da garagem do frotista. A garantia igual ao oferecido para o produto original novo no mercado de reposição.

Newton Juliato, Supervisor de Desenvolvimento e Assistência Técnica – Aftermarket da BorgWarner, explica que a empresa  disponibiliza sua linha de turbos completos e conjuntos centrais para turbos remanufaturados. Um preço mais competitivo. Alguns fabricantes até recebem a peça usada (casco) como parte do pagamento do produto remanufaturado, que cumpre com as mesmas especificações de um item novo.

Gerson Moreira, gerente Executivo de Vendas de Peças, Cummins Brasil, diz que é a solução perfeita para o cliente que procura e necessita com agilidade de seu equipamento em perfeitas condições de operação. O tempo de espera com o veículo parado é significativamente menor, já que o usuário não necessitará aguardar pela reparação de um componente e/ou reforma de seu motor. Hoje, a linha ReCon da Cummins é composta por motores básicos e parciais, injetores, módulos de controle do motor, bomba de combustível de alta pressão e cabeçotes. A gama é oferecida para toda linha de motores Cummins.

O objetivo da empresa é proporcionar aos seus clientes facilidades como custo competitivo de manutenção e agilidade na hora de um eventual reparo. Todo o processo de remanufatura é feito pela fábrica e segue as especificações técnicas, requisitos de engenharia aplicados a um motor novo e os padrões de qualidade exigidos pela empresa. Os motores e componentes são produzidos para assegurar a mesma performance e desempenho dos produtos novos Cummins. O trabalho desenvolvido pela Cummins ReCon se adequa à norma ABNT 15296 e também é bastante focado no ponto de vista ambiental.

A Eaton disponibiliza sincronizadores e transmissões remanufaturadas com a marca ECOBox e também embreagens remanufaturadas e recondicionadas. Segundo Francisco Coli, MKT Transmissões Aftermarket, esses produtos têm o melhor custo/benefício. “Os preços dos produtos remanufaturados são mais competitivos, damos a garantia igual do produto novo e no caso das transmissões ECOBox, o frotista tem a redução do tempo de parada do caminhão na oficina e a redução da manutenção em relação ao tradicional reparo”.

Jefferson Germano, presidente da Anrap e gerente de Aftermarket da Knorr-Bremse para o Brasil e América Latina, salienta que ao longo dos anos, incluiu no processo de remanufaturados os freios a disco, válvulas, acionamentos e servo embreagens. No primeiro semestre de 2015, a empresa passou a remanufaturar cilindros combinados (piggyback). Incluirá o caliper de freio a disco SN5 para aplicações de sete a dez toneladas em veículos comerciais, que também será mais uma excelente opção de peça remanufatura para o usuário. A Knorr-Bremse continuará investindo em infraestrutura e tecnologia, visando à expansão do processo de remanufatura com padrão de qualidade global.

A Schaeffler remanufatura platôs e discos de embreagem. Segundo Airton do Prado, gerente Assistência Técnica da Schaeffler América do Sul, o consumidor ainda confunde recondicionada e remanufaturada. “As definições de cada um desses processos estão preconizadas em norma (ABNT). A Anrap tem como uma das missões, difundir o conceito do que é uma peça remanufaturada”.

Milton Oliveira, gerente Comercial ZF Services, explica que a empresa disponibiliza aos segmentos de caminhões pesados e extrapesados, embreagens remanufaturadas sob a marca Sachs. A marca atende cerca de 95% dos veículos comerciais vendidos no Brasil. As suas embreagens remanufaturadas atendem às mais altas exigências de qualidade, durabilidade e inovação. São processadas seguindo o mesmo processo de produção dos equipamentos originais. Somente o fabricante original tem os recursos tecnológicos necessários para atingir a mesma qualidade e performance, atendendo inclusive os requisitos da ISO/QS 9000.

A ZF desenvolve e fabrica o revestimento do disco de embreagem especialmente para a remanufatura, conferindo o desempenho e a durabilidade desejada à embreagem remanufaturada. Em termos de economia, o processo de remanufatura exige menor consumo de energia e emite menos poluição ao meio ambiente. O reaproveitamento da carcaça em bom estado dispensa a fabricação de uma nova, poupando recursos energéticos, em especial a água no processo de produção (possibilitando uma economia de 90% em relação ao processo convencional). O gasto com matéria-prima também é reduzido. Além disso, a ZF dá a destinação correta aos produtos contaminantes (no caso, os revestimentos de embreagens). Já os rebites e outros itens são enviados para fundições e são reciclados e reaproveitados para produção de novos produtos como pisos, por exemplo.

Fernanda Silva, Líder de Vendas e Marketing para América do Sul da Garrett, explica que os turbos remanufaturados pela fábrica após serem rigorosamente coletados pela rede de distribuição autorizada e centros de serviço autorizado Garrett passam por uma fase de limpeza, seleção e análise de todas as suas peças, identificando quais componentes podem ser remanufaturados e os que devem ser substituídos por peças novas.

Após essa fase de avaliação e análise, a Honeywell substitui as peças não aprovadas, remonta, balanceia, calibra e inspeciona todo o conjunto de acordo com os mesmos desenhos e especificações adotados para um turbo novo. Para assegurar o mais alto nível de qualidade ao cliente, a Honeywell realiza o processo de remanufatura na própria fábrica, sem recorrer às empresas do mercado. Por isso, os produtos da linha Reman Original Garrett têm as mesmas especificações e garantia de um turbo novo original, que corresponde a um ano, sem limite de quilometragem.

O lançamento do Reman Original Garrett contou com a instalação de uma linha exclusiva de produção na fábrica da empresa, em Guarulhos, região da Grande São Paulo. Foram instalados equipamentos e bancadas necessários aos processos de limpeza, seleção e análise de peças originais usadas coletadas pelos distribuidores. O processo de montagem final, por sua vez, ocorre nas mesmas linhas onde são montados os turbos novos.

“O turbo remanufaturado Garrett é produzido com a mesma durabilidade de um turbo novo. Existem proprietários de veículos que já percorreram mais de um milhão de quilômetro com turbo remanufaturados Garrett, mas que seguem, rigorosamente, as recomendações de fábrica para a sua correta manutenção periódica”, finaliza Fernanda Silva.

Curiosidades

Segundo levantamento feito pela Anrap, as dez associadas (BorgWarner, Cummins, Delco Remy, Eaton, Garrett, Knorr-Bremse, Schaeffer Brasil (Divisão Luk), TRW Automotive, Wabco e ZF (com a linha de embreagem Sachs) recuperam uma média de 2,6 mil toneladas de matérias-primas anualmente, entre alumínio e ferro. Ainda no âmbito da sustentabilidade, a remanufatura de produtos colabora para diminuir o consumo de energia, água e emissão de gás de efeito estufa.

Mundialmente, mais de 110 indústrias reciclam produtos, incluindo o setor automotivo, equipamentos elétricos, médicos e de comunicação, entre outros. Cada vez mais, as empresas precisam estar conscientes de que é preciso produzir com menos desperdício, realizar processos industriais que preveem o descarte reciclável e, principalmente, projetar inovações sustentáveis.

Imagens:

 

 

 

Fique por dentro de todas as novidades da Revista Caminhoneiro!