Respirando melhor; com folga no bolso

24/05/2017 às 2:27 - Atualizado em 30/05/2017 às 2:06

São muitas as dificuldades vividas pelo caminhoneiro em seu dia a dia de trabalho.

Não bastassem os custos dos insumos na profissão, há ainda as preocupações com questões de segurança, além das diversas leis de trânsito. Sem contar com as questões ambientais, que podem levar prejuízos à saúde física da população em geral, do próprio caminhoneiro e de sua saúde financeira.

Nesse contexto, para se ter uma ideia, somente em 2016, em um único dia, a Cetesb autuou mais de 700 veículos a diesel, por emissão de fumaça preta. Na ocasião, cada multa – sendo a primeira – teve o valor de, aproximadamente, R$ 1.407,00. Não sem motivo, pois de acordo com a OMS, a cada ano, cerca de três milhões de pessoas morrem por doenças associadas a poluição do ar.

Só no Brasil são 14 mortes para cada 100 mil habitantes. Preocupada com ambas as situações, a Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga em Geral do Estado de São Paulo (Fetrabens) iniciou em 2013 o Programa Sócio ambiental Compensar.

Para isso munimos, até hoje, 19 dos sindicatos filiados à Federação com viaturas equipadas com opacímetro, tacômetro, decibelímetro, notebook e impressora que realizam testes de opacidade de fumaça preta e ruído de motor, para atender tanto aos nossos associados, cerca de 365 mil caminhoneiros no Estado, como veículos de empresas de transporte e de demais interessados em obter o laudo.

Mas tudo foi melhorado, pois recentemente assinamos um convênio com a Cetesb, integrando o Compensar como uma das controladoras no Programa de Melhorias de Manutenção a Veículos Movidos a Diesel (PMMVD) para a realização de medições de fumaça preta.

Dessa forma geramos outro estímulo para os caminhoneiros recorrerem ao Programa. Caso autuado, eles terão sua primeira multa reduzida em 70%, ao realizar o teste de opacidade e serem aprovados. Um grande desconto já que esse valor pode chegar, hoje, a R$ 1.600,00. O abatimento é previsto no Artigo 106 do Regulamento da Lei Estadual n. 997/76, aprovado pelo Decreto Estadual 8.468/76.

Quando procuramos essa parceria com Cetesb a ideia era mostrar que o nosso objetivo, assim como o PMMVD, é mais de conscientização do que de fiscalização. Pois favorecemos o caminhoneiro, que passa a manter seu veículo em bom estado, reduz custos exorbitantes de manutenção, além do custo Brasil, ao mesmo tempo em que evita ser autuado, contribuindo para a preservação do Meio Ambiente e a saúde dos cidadãos. Ou seja, ganhamos todos!

E, em breve, aumentaremos o esforço. Nossa meta é atingirmos 32 viaturas, das quais 19 já operam, distribuídas por todas os principais polos rodoviários do Estado de São Paulo, criando, assim, uma corrente pelo bem do nosso planeta. Permitindo que todos respirem melhor; com uma boa folga no bolso do caminhoneiro!

 Norival de Almeida Silva, presidente da Federação dos Caminhoneiros Autônomos de Carga em Geral do Estado de São Paulo (FETRABENS) e do Sindicato dos Transportadores Rodoviários Autônomos de Bens do Estado de São Paulo (SINDICAM-SP)

Dúvidas relacionadas á profissão, é só encaminha-las para o e-mail editoria@tteditora.com.br