O desenvolvimento de um caminhão Atego

17/08/2017 às 5:16 - Atualizado em 17/08/2017 às 5:17

A Mercedes-Benz apresenta nova configuração ainda mais robusta para a linha rodoviária de caminhões Atego 4×2 e 6×2

 A empresa, gradativamente, vem apresentando algumas novidades que estarão expostas no Salão Internacional do Transporte Rodoviário de Cargas (Fenatran), que acontece de 16 a 20 de outubro. Mas, com certeza ainda a montadora tem cartas na manga para apresentar durante esse evento.

Ela anunciou o lançamento de uma nova configuração ainda mais robusta para a linha rodoviária de caminhões Atego 4×4, 4×2 e 6×2, e uma venda recorde de 524 caminhões para operações fora de estrada para a empresa Raízen, principal fabricante de etanol de cana-de-açúcar do Brasil e maior exportadora individual de açúcar de cana no mercado internacional.

 “Com prazer, estamos adiantando mais um dos destaques que preparamos para o maior evento do setor no País”, afirmou Roberto Leoncini, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões e Ônibus da Mercedes-Benz do Brasil. “A satisfação é ainda maior porque essa nova configuração para a linha Atego é fruto da nossa parceria com a Via Lácteos, empresa referência nacional no transporte de leite, que nos trouxe a ideia que resultou na disponibilização de um Pacote Robustez para toda a linha Atego. Ouvimos com atenção o nosso cliente e atendemos sua demanda com uma nova solução de resistência e durabilidade, o que se traduz em eficiência, produtividade e rentabilidade ao mercado”.

O Pacote Robustez contempla o para-choque dianteiro tripartido, que permite ângulo de entrada maior, grade metálica de proteção do farol, nova posição da luz de seta, primeiro degrau da cabina em metal e nova posição do suporte para placa, visando facilidade de acesso ao engate do cambão. Além dessas características, os caminhões Atego podem ser configurados com os pneus 295/80R22.5, mais altos.

“Item de série no modelo Atego 2730 off Road, essa configuração está disponível para a linha rodoviária Atego 4×2 e 6×2 nas cabinas Standard e Estendida”, informa Leoncini. “Assim, atendemos às demandas de empresas como a Via Lácteos, cujos caminhões coletam leite nas fazendas e, numa mesma operação, circulam também por rodovias e áreas urbanas. O cliente nos pediu um caminhão que fosse robusto na atividade fora de estrada e que assegurasse, ao mesmo tempo, agilidade, conforto e segurança para o motorista nas cidades e nas estradas. Com essa nova configuração, a linha Atego está ainda mais parruda para enfrentar essas severas operações de transporte, atendendo plenamente essa solicitação do nosso cliente”.

Com essa novidade, a Mercedes-Benz dá ainda mais opções ao cliente na hora da escolha do caminhão adequado. “Se ele necessitar de um veículo só para uso em operações fora de estrada, o indicado é o Atego 2730 6×4, seja plataforma, basculante ou betoneira, que já foi desenvolvido com o Pacote Robustez”, diz Leoncini. “Se nas atividades da empresa o caminhão utiliza, além de vias não pavimentadas, estradas e ruas, a melhor solução é um dos modelos Atego rodoviários com o Pacote Robustez. Seja qual for a decisão do cliente, a força, resistência e durabilidade do Atego estão garantidas, além do custo operacional ainda mais baixo”.

Renovação

A Via Lácteos é o primeiro cliente a comprar 20 caminhões com essa nova configuração do Atego (Pacote Robustez). São 10 unidades do Atego 1719 4×2 e outras 10 do Atego 2426 6×2. Com sede em Matelândia, no oeste do Paraná, a empresa tem uma frota de 480 veículos. Em média, transporta mais de 1,1 bilhão de litros de leite por ano, prevendo crescimento de 10% no volume a ser coletado em 2017.

“Nas operações de transporte de leite, buscamos caminhões com mais robustez, mas não esquecendo da segurança e do conforto para o motorista”, afirma Márcio Bragatti, supervisor de frota da Via Lácteos. “As exposições do veículo a estradas precárias são altíssimas. Com isso, a simplicidade e o baixo custo operacional, com consumo de diesel e manutenção, são os componentes que mais exigimos. Nesse sentido, o Atego 1719 e o Atego 2426, ambos com o Pacote Robustez que idealizamos em conjunto com a Mercedes-Benz, estão nos atendendo perfeitamente”.

Márcio completa ainda que, desde a personalização dos caminhões Atego em conjunto com a Mercedes-Benz, a Via Lácteos vem obtendo resultados muitos positivos em suas operações no transporte de leite: “Na operação em Giruá (RS), antes de comprarmos os caminhões Atego, a nossa média de consumo era de 3,17 km/l com veículos de outras marcas. Após colocarmos os Atego 1719 em operação, passamos para 3,89. Ou seja, tivemos um ganho em 23%. Em Xanxerê (SC), também tivemos economia. A nossa média de consumo era de 2,43 km/l e com os Atego 2426 subiu para 2,56. Nessa operação, tivemos um ganho de 5%. ”

Customização 

O desenvolvimento de um caminhão Atego que assegure mais robustez que um modelo rodoviário e mais conforto na comparação com um fora de estrada é fruto da customização de veículos oferecida pela Mercedes-Benz aos clientes.

Sob coordenação da área de Custom Tailored Trucks (CTT), o trabalho de customização conta com o envolvimento de profissionais de Engenharia, Produção, Vendas, Marketing, Controlling e Peças & Serviços. Além disso, soma-se a participação de clientes, o que potencializa a geração de soluções para demandas específicas de empresas parceiras desde o início do desenvolvimento.

Graças ao trabalho do CTT, a Mercedes-Benz foi a campo e identificou as necessidades da Via Lácteos. Além de atender a uma necessidade individual do cliente, essa solução será aplicada a outras operações de transporte, ampliando o portfólio da Mercedes-Benz. Este é o caso da nova configuração do Atego (Pacote Robustez), que atende diversas outras atividades e regiões com o mesmo nível de eficiência, produtividade e rentabilidade, conquistando assim novos clientes.

“Assim como conquistou a aprovação e a satisfação da Via Lácteos no exigente e especializado transporte de leite, a nova configuração ainda mais robusta deverá, por exemplo, ampliar o sucesso do Atego no Nordeste”, avalia Ari de Carvalho, diretor de Vendas e Marketing Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil. “Este mercado vem reconhecendo cada vez mais a robustez e a durabilidade do Atego, devido especialmente ao quadro do chassi herdado do Atron, um campeão na preferência local. E além disso, o cliente ganha mais conforto na cabina para o motorista e mais produtividade, porque o Atego 2426, por exemplo, leva até uma tonelada de carga a mais que seus concorrentes”.

Mais vendas

A Raízen, fabricante e exportadora brasileira de etanol de cana-de-açucar, acaba de adquirir 524 caminhões Mercedes-Benz para realizar suas operações, sendo  286 caminhões Atego 2730 6×4 e 238 Axor 3344S 6×4.

A Raízen adotou um modelo de terceirização de prestação de serviços de transporte em suas operações, formado por oito transportadoras, tanto para a produção de cana-de-açúcar quanto para atividades de apoio no campo. A gestão da logística e transporte, no entanto, é realizada pela Raízen, que define todas as condições e exigências, entre elas a renovação constante de frota, com foco em suas necessidades e tipos de operação.

A Raízen indicou a contratação do Plano de Manutenção “Complete”, o mais abrangente da marca, para os 238 caminhões Axor, que rodam 24 horas por dia, 7 dias da semana, pelo menos durante 9 meses por ano, conforme as safras. Os caminhões  contam também com os serviços do sistema de gestão de frota e rastreamento FleetBoard, permitindo uma melhor gestão dos veículos e dos motoristas. A forma de financiamento foi por intermédio do Finame (BNDES). As entregas do Atego iniciaram em abril e vão até setembro e os todos os 238 caminhões Axor 3344S 6×4 já estão em operação.

Tags: