Vivenciar situações

05/06/2017 às 2:07 - Atualizado em 14/06/2017 às 4:36

Na Suécia, a Scania criou o Transport Laboratory que é um dos instrumentos da montadora para conhecer os resultados de uma empresa de transporte modelo.

abc

A Europa, também, possui muitas transportadoras que colocam bastante pressão “em cima” do motorista para chegar na hora certa do carregamento ou descarregamento de mercadorias. Mas, no Scania Transport Laboratory a conversa é outra. Os motoristas são bem tratados e ao invés de punições, quando algo de errado acontece, a empresa procura orientá-los. A base de atendimento fica ciente do problema, imediatamente, ela busca a melhor solução sem alarmar o motorista que está na estrada, evitando o seu estresse.

Para tal, o Transport Laboratory tem eficiente planejamento e ações para resolver os problemas até os mais imprevisíveis. Os veículos na frota do laboratório variam de um G 280 G a um R 730 e são usados para transportar, incluindo caixas de mudanças e motores, entre as unidades de produção da Scania em Södertälje, na Suécia, e Zwolle, na Holanda. O peso bruto dos veículos dentro da frota é de 35 toneladas em média, variando de 22 toneladas a 78 toneladas e podem alcançar até 31,5 metros.

O Scania Transport Laboratory é uma subsidiária integral da Scania, mas é operado como uma empresa de transporte independente. Uma das missões é gerar rapidamente dados operacionais sobre novos veículos. Os dados são usados para melhorar ainda mais os produtos e as soluções de transporte da Scania.

A montadora emprega cerca de 100 motoristas para manter a frota do laboratório de transporte em operação durante 24 horas por dias e permite que ele cumpra essa importante missão. A distância entre Södertälje e Zwolle é de aproximadamente 1.300 km e de quatro a seis motoristas trabalham em turnos para realizar o trabalho. Cada veículo viaja cerca de 10 mil km semanalmente e o tempo de atividade da frota aproxima-se de 100%.

Andrea Pedersen tem orgulho de fazer parte do quadro de caminhoneiros do Scania Transport Laboratory. Filha de caminhoneiro, a jovem, de 22 anos de idade, está na empresa há quatro anos. Na Suécia existe o Colegial especializado em Transporte. O curso tem a duração de três anos: o primeiro ano aprende anatomia do caminhão e no segundo e terceiro como conduzir o veículo.

Segundo Andrea o que faz o Scania Transport Laboratory ser tão especial é que muito prazeroso estar envolvida com o desenvolvimento do setor por meio das pesquisas realizadas aqui. Dirigir para o laboratório de transporte é muito seguro. Sempre posso contar com uma extraordinária assistência, se algo acontecer. E existe um fluxo constante de veículos novos chegando, o que significa que nunca um dia é igual ao outro.

A caminhoneira explica que na Europa ainda existe preconceito quando percebe que é uma mulher que está dirigindo um caminhão: “aqui na Suécia não, mas em outros países acontece”.

A frota da empresa, de 28 veículos, é constituída por caminhões Scania e também de outras marcas presentes na Europa (no caso Mercedes-Benz, Volvo e MAN). Para evitar vícios nos testes, os motoristas são regularmente trocados de caminhões. Os veículos possuem as mais recentes tecnologias e a manutenção é feita em revendas Scania e não tem veículo reserva.

O motorista que faz parte do Transport Laboratory não pode ultrapassar 80 km/h, a média é de 74 km/h, evitar marcha lenta e o uso demasiado do freio. Existe a seguinte filosofia: “Se conduzir 90% por/h, ao invés de 80 km/h, você irá ganhar 1% de tempo, mas irá perder 10% de combustível, terá maior custo de reparo e manutenção e aumentará o risco de acidentes mortais em 40%”.

aab